Apresentação da lista da CDU à União das Freguesias do Barreiro e Lavradio

A CDU apresentou hoje a lista à União de Freguesias do Barreiro e Lavradio.

Hoje no Lavradio e ontem no Barreiro em coerência com a sua posição de defesa da reposição das 8 freguesias.

barreiro 640x241 lavradio3 640x241

Intervenção de Ana Porfirio - Barreiro

Boa Tarde e Obrigado a todos por se juntarem a nós
A Freguesia do Barreiro tem 530 Anos.
530 anos que não se podem eliminar por um mero diploma legal extinguindo assim Freguesias, agregando-as contra a vontade das populações e dos órgãos autárquicos, foi assim em 2013 com a cobertura de um programa de resgate financeiro que se revelou não um resgate mas um sequestro, um sequestro que hipotecou o país e ao qual o Poder Local Democrático, conquista de Abril não escapou. Foi nesse quadro que em 2013, consciente das dificuldades de gestão de duas Freguesias com metade dos eleitos, cortes financeiros e restrições à contratação assumi ser o rosto de uma equipa, que durante estes 4 anos trabalhou procurando não deixar delapidar a essência, a história, o passado e acima de tudo o futuro.
Quatro anos depois o desafio renova-se, um colectivo, de homens e mulheres que ao longo destes 4 anos aceitaram este desafio e deram o seu melhor, mas também de todos que construíram o Poder Local Democrático, de todos os eleitos anteriores, a quem faço uma pequena e justa homenagem. Foi com trabalho, honestidade e competência, que nos adaptámos a esta realidade sem nunca deixar de reivindicar e lutar pela reposição das Freguesias. Foi com trabalho, honestidade e competência, que juntámos esforços com todos: Comunidade Educativa, Movimento Associativo, IPSS's, agentes económicos, restantes autarquias, numa rede de entre ajuda onde temos a certeza que unidos somos mais fortes, fazemos melhor.
Foi com trabalho, honestidade e competência, que reduzimos a precariedade, que garantimos através da assinatura de Acordo Colectivo as 35horas semanais aos nossos trabalhadores, mesmo quando troicas exigiam inconstitucionalmente o aumento de horas de trabalho com a redução salarial.
Cumprimos as nossas competências legais, as acordadas por Protocolo e Acordo de Execução com o Município e mais um pouco em áreas para as quais as Freguesias não possuem competências directas, verbas ou meios humanos.
A cultura, o recreio, a acção social são vertentes às quais não ficámos indiferentes, disso são exemplo a Caminhada por Abril, as Concentrações de Veiculos Clássicos, Passeio de Bicicletas Antigas, O Encontro de Bandas, Exposições, Animação de Espaços Públicos ou um banco de ajuda técnicas, camas hospitalares, cadeiras de rodas e outros equipamentos cedidos à população que deles necessita a titulo gratuito, onde todos os anos investimos mais.
Se muito foi feito, muito há por fazer, é assim que se construi o futuro, atingindo etapas, apenas e só para iniciar outra.
Em cada etapa, renova-se a vida, num espaço verde que se trata, numa iniciativa cultural, em cada pedra a pedra, que se varre, repõe, pinta, cada mural, cada espaço requalificado da frente ribeirinha, cada reparação numa escola, cada sorriso, assim se constrói o futuro que queremos para a nossa terra.
O Barreiro, aninhado junto ao Rio, onde se transportou sal e água doce, se construíram barcos, se viveu da pesca, da moagem, se modificou com o caminho-de-ferro, a industria corticeira, a industria pesada, onde se resistiu à ditadura, onde se celebrou Abril, onde se fixaram milhares de pessoas vindas de todos os lados tornando-se parte essencial e integrante desta terra, onde se resgatou a frente ribeirinha e limparam-se as águas outrora cinzentas, devolvendo-nos o Rio, caminho e berço.
Em gerações passadas fomos sempre um foco de resistência, de reivindicação e de luta por um mundo mais justo.
A todos os que fizeram esse caminho cabe-nos o reconhecimento e a responsabilidade de o continuar.
A lista que hoje se apresenta está em condições de afirmar que acrescenta disponibilidades e experiências e renova saberes.
Aposta num futuro, caldeado com a experiência do passado. Cruza gerações e tem ligação à vida. Reflete o Movimento Associativo e as diversas localidades, o Bairro das Palmeiras, os Fidalguinhos, o Lavradio e o Barreiro.
Uma lista em condições de trilhar os caminhos do futuro, em ambas as freguesias!
Centremo-nos hoje na freguesia do Barreiro.
Existem novos caminhos, novas perspectivas, desenham-se novos espaços requalificados de lazer, como a Quinta Brancamp, a possibilidade de ligação ao Seixal, a criação da Esquadra da PSP no Café Barreiro, como mais uma âncora para a reabilitação de um núcleo histórico, a reabilitação dos Moinhos, os passadiços lacustres, zonas requalificadas não só superficialmente mas a nível de infraestruturas.
Passo a passo há avanços, na mobilidade, na cultura, no lazer, na qualidade de vida.
Há preocupações, também, com o envelhecimento da população, a necessidade de desenvolvimento económico e criação de emprego, para a qual o Terminal Portuário poderá ser importante.
Mas não a qualquer custo. Nunca pondo em causa a frente ribeirinha reconquistada e reabilitada.
Já passámos por esse processo há muitas décadas, em que o desenvolvimento económico nos construiu outras barreiras, poluiu, hoje sabemos que é possível um desenvolvimento sustentável, sem hipotecar o futuro e só assim faz sentido.
Ao longo destes quatro anos juntos fomos Barreiro.
Assim nos propomos continuar, juntos a ser Barreiro, com trabalho honestidade e competência.
Continuando a trabalhar pela melhoria de condições de vida, pela reposição das Freguesias.
Por todos. Contamos com todos. Contem connosco.


Intervenção de Ana Porfirio - Lavradio

Quando em 2013 me confiaram a tarefa de ser cabeça de Lista à União de Freguesias de Barreiro e Lavradio, foi com humildade e com o peso da responsabilidade de quem lutou frontalmente e em toda linha contra esta reorganização administrativa, que o fiz.
Não é uma tarefa individual, é um resultado colectivo, da mesma forma que cada Freguesia com as suas características próprias faz um Concelho e cada Concelho, o país, ou se quisermos cada um de nós é a parte individual, especial e única de um todo. Assim cabe-me uma palavra de reconhecimento a todos, trabalhadores das Autarquias, bem como anteriores, actuais e futuros eleitos. O Lavradio foi declarado Vila em 1670, é mais que o Lavradio Antigo, são os Loios, a Quinta da Fonte e a mancha Urbana dos Fidalguinhos.
Aqui se sente a memória das salinas e das uvas, aqui se anunciou a Republica 4 de Outubro de 1910, aqui se resistiu, cresceu com a industrialização, aqui muitos se acolheram fazendo desta a sua terra. Ao longo destes quatro anos trabalhámos:
Pela melhoria das condições de vida
Criando laços com a Comunidade Educativa, Movimento Associativo, Instituições, pessoas, todas especiais e diferentes, todos os dias participamos, apoiamos ou promovemos um conjunto de iniciativas e eventos numa dinâmica que marca o dia-a-dia do território.
Pela reposição das centenárias Freguesias de Barreiro e Lavradio, porque assim o merecem, porque são elas também únicas e especiais.
Foi com honestidade que nunca fizemos promessas, apenas compromissos.
Foi com trabalho, honestidade e competência, que:
Dotámos as duas Freguesias de meios para a continuação e melhoria do seu trabalho em prol das populações
Diminui-mos o trabalho precário criando mais postos de trabalho com direitos
Demos um salto qualitativo nos edifícios de pré-escolar e escolas de primeiro ciclo, sendo que todas as escolas do primeiro ciclo sofreram intervenções, como são exemplo: a criação de novo bloco sanitário e construção de passadiço na Escola 1, reparação e isolamento de todas as janelas e portas e colocação de novo piso no polivalente da Escola 2, isolamento da cobertura da Escola dos Fidalguinhos, tudo obras efectuadas pela Freguesia.
Ainda assim outras obras levadas a cabo pelo Município completaram esta requalificação, o arranjo do espaço exterior e cobertura da Escola nº2, a construção de novo Bloco de aulas na Escola dos Fidalguinhos.
Há quatro perguntaram se seria agora que os alunos da Escola nº 2 teriam pavimento e espaço de brincadeira que não fosse terra batida, hoje assim é!
Foi ainda com honestidade que mantivemos trabalhadores, viaturas, instalações, tempo de resposta equitativos no Barreiro e Lavradio, perspectivando e lutando sempre pela reposição das Freguesias.
Luta essa onde não fomos acompanhados pela maioria das restantes forças politicas, nem pelo PSD que no seu governo impôs as Uniões de Freguesia nem do PS apesar de na altura se manifestar contra, recusou a acompanhar esta luta votando sempre contra em Assembleia de Freguesia.
Cumprimos as nossas competências legais, as acordadas por Protocolo e Acordo de Execução com o Município e mais um pouco em áreas para as quais as Freguesias não possuem competências directas, verbas ou meios humanos.
A cultura, o recreio, a acção social são vertentes às quais não ficámos indiferentes, disso são exemplo a Caminhada por Abril, as Concentrações de Veiculos Clássicos, Passeio de Bicicletas Antigas, O Encontro de Bandas, Exposições, Animação de Espaços Públicos ou um banco de ajuda técnicas, camas hospitalares, cadeiras de rodas e outros equipamentos cedidos à população que deles necessita a titulo gratuito, onde todos os anos investimos mais.

Fizemos esta travessia com os custos inerentes à adaptação de duas entidades a uma só, com os trabalhadores, com metade dos eleitos face a mandatos anteriores.
A lista que hoje se apresenta está em condições de afirmar que acrescenta disponibilidades e experiências e renova saberes.
Aposta num futuro, caldeado com a experiência do passado. Cruza gerações e tem ligação à vida. Reflete o Movimento Associativo e as diversas localidades, o Bairro das Palmeiras, os Fidalguinhos, o Lavradio e o Barreiro.
Uma lista em condições de trilhar os caminhos do futuro, em ambas as freguesias!
Centremo-nos hoje na freguesia do Lavradio.
Que perdeu o seu estatuto de Vila mas o recuperou em 1985, quando o Concelho passou de 4 a 8 de Freguesias, podemos inverter esta situação, lutando todos os dias pela reposição justa das Freguesias.
A terra onde nasceu a primeira maestrina portuguesa, Natércia Couto,
Temos consciência que há muito por fazer, todos os dias, o que é sinal de um território vivo e participante.
Que todas as restrições impostas á contratação e cortes de verbas, se refletiram no dia a dia da população, na limpeza, no corte de ervas, nos espaços verdes, situações para as quais fomos forçados a tomar medidas excepcionais.
O trabalho, honestidade e competência, não são chavões, são ritmo constante do trabalho das autarquias CDU onde se dá a cara, onde obras, intervenções e projectos, não pautados por calendários eleitorais.
È todos os dias e em todas as coisas que se melhora o presente e se desenha o futuro.
Contem Comigo!
Contem connosco!